Notícias

Benx e BN Engenharia preveem expansão em 2021

Data: 01/02/2021

Incorporadora estima lançamentos de R$ 2 bilhões, enquanto construtora já assegurou faturamento de R$ 600 milhões

Por Chiara Quintão — De São Paulo

23/12/2020

Depois de viver seu melhor ano em 2020, a Benx – incorporadora do grupo Bueno Netto – espera registrar novo recorde de lançamentos imobiliários em 2021, com R$ 2 bilhões. Outra empresa do grupo, a BN Engenharia, já fechou contratos para 2021 que asseguram R$ 600 milhões em faturamento, o triplo do registrado neste ano.

Em 2020, a Benx quadruplicou seu Valor Geral de Vendas (VGV) lançado, em relação ao de 2019, chegando R$ 1,6 bilhão. Projetos dos padrões médio-alto e alto – incluindo duas torres do Parque Global – responderam por R$ 1,2 bilhão, enquanto a plataforma Viva Benx, destinada à baixa renda, teve fatia de R$ 400 milhões. “O ano foi incrível para nós, apesar de, na questão da saúde, ser um momento de tristeza para todos”, diz o diretor-geral da Benx, Luciano Amaral.

Em setembro, a incorporadora retomou os lançamentos do Parque Global, seu maior projeto. Trata-se de bairro planejado desenvolvido em conjunto pela Bueno Netto e pela Related Brasil, que ficou embargado por cinco anos. Foram lançadas duas torres, com VGV total de R$ 750 milhões. “Mesmo em um cenário otimista, esperávamos 60% de vendas, neste ano, mas chegamos a 90%”, diz Amaral. Do total comercializado do Parque Global, R$ 150 milhões foram vendas feitas a ex-clientes que compraram unidades quando o lançamento ocorreu há sete anos. Houve distratos das antigas vendas devido ao embargo do projeto.

Com o desempenho da comercialização do Parque Global, a apresentação da próxima torre foi antecipada de setembro do próximo ano para fevereiro. As obras foram aceleradas em três meses. No segundo semestre, haverá o lançamento da quarta torre, anteriormente prevista para 2022. O Parque Global está sendo desenvolvido na zona Sul da capital paulista.

Um ano atrás, no leilão de Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs), da Operação Urbana Consorciada Faria Lima, realizado pela Prefeitura de São Paulo, a Benx comprou 8,5 mil títulos para dois projetos residenciais. A empresa lançou um dos empreendimento que utilizarão os Cepacs, com apartamentos na faixa de R$ 13 milhões a R$ 14 milhões. O outro projeto será apresentado em 2021, com unidades a partir de R$ 9 milhões.

Segundo Amaral, a Benx possui os terrenos que vão assegurar o lançamento de R$ 2 bilhões no próximo ano. Parte dos projetos está aprovada, e outra parcela, em fase de obtenção de licenças. “Estamos comprando terrenos para 2022”, conta o executivo. Nos planos da Benx para 2021, os padrões médio-alto e alto responderão por fatia de 75% a 80% dos lançamentos, enquanto a Viva Benx ficará com a parcela de 20% a 25%.

Na BN Engenharia, o faturamento poderá superar os R$ 600 milhões já assegurados para 2021. A empresa está participando de nove concorrências que incluem centros de distribuição, um hospital, um shopping center, um imóvel para indústria farmacêutica e uma escola, todos nos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Da receita da BN Engenharia prevista para o próximo ano, metade será de edificações privadas para terceiros e 50%, de obras residenciais para o próprio grupo Bueno Netto. Em 2020, com a suspensão temporária de contratos comerciais, principalmente por parte de fundos, construções para terceiros corresponderam a 25%. Esse fator e os lançamentos residenciais postergados fizeram com que o faturamento da empresa caísse pela metade ante o estimado para 2020 e ficasse abaixo também dos R$ 300 milhões de 2019.

Segundo o diretor geral, João Antônio Mattei, no início da pandemia, a BN Engenharia avaliou que tinha caixa para sobreviver, por alguns meses, mesmo sem nenhum faturamento. O executivo conta que, além desse cenário não ter ocorrido, foi possível reduzir despesas administrativas.

Apesar dos desafios enfrentados em 2020, a empresa sentiu também aumento da demanda por obras para segmentos como galpões para centros de distribuição. “Acabamos de ganhar a concorrência para um projeto da GLP com 100 mil metros quadrados”, diz Mattei. Há demanda também por edificações para hospitais e universidades, segmentos que vêm passando por consolidação.

A empresa tem 16 obras, em curso, número que deve crescer para 24 ao longo do ano. Uma delas é a construção do primeiro Hard Rock Hotel do Brasil, localizado na Praia da Lagoinha, nas proximidades de Fortaleza.

O diretor da BN Engenharia conta que, com a forte retomada da demanda por materiais de construção, em meados do ano, houve mudanças nos prazos de fornecimento de insumos. Segundo Mattei, a entrega de aço, por exemplo, que costumava levar uma semana, passou a ser feita no prazo de 45 dias. “Como temos muitas obras, administramos o material de maneira que não sentimos impactos na nossa produção”, diz o executivo.

Confira no link: https://valor.globo.com/empresas/noticia/2020/12/23/benx-e-bn-engenharia-preveem-expansao-em-2021.ghtml a matéria original publicada no jornal Valor Econômico.